O dragão de aço destrói vidas por onde passa

O aço está em todos os lugares: nos eletrodomésticos das nossas casas; nos veículos que circulam nas ruas e até em nossos bolsos, em celulares e chaves. Essa matéria-prima, comum na vida de todos/todas nós, não é nada legal para quem é vizinho/a das indústrias onde  é produzida. A atividade afeta agricultura e pesca, toma terras, água e ar e muda modos de vida por onde passa. “Quintais e Usinas: o dia a dia de violações de direitos da produção de aço no Brasil”, a mais recente pesquisa lançada pelo Instituto Pacs, busca mostrar os impactos da siderurgia em âmbito nacional. O estudo foi apresentado na última quarta-feira (29/11), na Casa Naara, Centro do Rio, com roda de conversa.

A proposta foi traçar um perfil dos impactos da siderurgia em âmbito nacional a partir da experiência que o Instituto tem acumulado por mais de dez anos no acompanhamento das violações de direitos humanos por causa da instalação da siderúrgica TKCSA (atualmente Ternium Brasil), em Santa Cruz. Foram visitadas as seguintes cidades: Marabá (PA), Açailândia (MA), São Gonçalo do Amarante (CE), Sete Lagoas (MG), Ipatinga (MG), Vitória (ES), Volta Redonda (RJ) e o bairro carioca de Santa Cruz, todas comunidades atingidas pela indústria do aço no País e realizadas entrevistas com atingidos/atingidas, pesquisadores/pesquisadoras críticos da academia, além de representantes do Ministério Público e da Defensoria Pública.

O resultado da pesquisa você confere aqui:

http://violacoesnasiderurgia.pacs.org.br/

Durante a roda de conversa de lançamento, Janaína Pinto, pesquisadora do Instituto Pacs, ressaltou como as lutas e as resistências das comunidades visitadas dizem respeito, sobretudo, a disputas por terra, água, ar puro, ou seja, saúde e por participação política. “Se você tem um Dragão de Aço no lado da sua, os seus móveis todos estão sujos de poeira preta; o seu pulmão recebe essa poeira preta. É uma invasão absurda”, aponta Janaína.

Confira vídeo com mais detalhes da fala da pesquisadora Janaína Pinto

A referência ao Dragão de Aço foi feita por uma das entrevistadas na pesquisa, que comparou os efeitos da siderúrgica ao animal com grande capacidade de destruição. Dragão de Aço dá nome também ao jogo educativo que será lançado em 2018 pelo Instituto Pacs como desdobramento da pesquisa.

Karina Kato, professora do Programa de Pós-Graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA/UFRRJ), destacou a importância de “dar cara às histórias” de impactos na siderurgia como forma de aproximar o problema de um público mais amplo.

A pesquisadora, colaboradora do Pacs, lembrou que a experiência de documentação do caso TKCSA foi importante para que tornar evidente o papel do Estado como ator importante em todo o processo de instalação dessas grandes indústrias, ao permitir a criação de corredores logísticos, como portos, rodovias e hidrovias. “São, na verdade, vias de escoamento de recursos, de vida, biológica e de vidas humanas que são destruídas nesse caminho”, resumiu Karina.

O professor do IFCS/UFRJ, Rodrigo Santos, sublinhou o ineditismo da pesquisa lançada pelo Pacs, que tem um olhar nacional para o problema, e a importância de se visualizar as vitórias durante a luta contra esses megaprojetos. Segundo ele, se não é possível impedir a instalação das siderúrgicas, é preciso, pelo menos “condicionar o funcionamento delas” por meio do respeito ao modo como a comunidade afetada quer viver. “Chuva de Prata nos olhos dos outros é refresco”, apontou, em referência ao caso de lançamento de material particulado, resultante da produção de aço, diretamente sobre a região do entorno da siderúrgica, registada em Santa Cruz, no Rio de Janeiro.

Além da Casa Naara, foram parceiros/as na atividade de lançamento a Articulação Internacional dos Atingidos e Atingidas pela Vale, a Haveté Sustentabilidade e o Grupo de Estudos em Educação Ambiental desde el Sur (Geasur). A pesquisa foi apoiada pelas agências de cooperação Fasternopfer, Development & Peace e Fundação Rosa Luxemburgo.

Confira fotos do lançamento

Lançamento Quintais e Usinas

 

Saiba mais sobre a pesquisa

Instituto Pacs apresenta pesquisa nacional sobre violações de direitos na produção do aço

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*