Lançada a Biblioteca Berta Cáceres

Berta Cáceres, lutadora feminista, revolucionária do povo indígena Lenca, em Honduras nos convidou a despertar, a atuar contra a militarização da Mãe Terra, “cercada e envenenada, onde os direitos elementares são sistematicamente violados”. Uma das frentes de atuação do Instituto Pacs tem sido a educação popular e a formação de massa crítica. Nada mais emblemático do que homenagear Berta  com a biblioteca lançada nesta segunda (06/11) durante a 23ª Assembleia de Sócias e Sócios do Instituto. A biblioteca reúne mais de 30 anos de produções escritas e audiovisuais do Pacs e pode ser acessada aqui:

biblioteca.pacs.org.br

O momento teve a participação de importantes parceiras e parceiros da história do Pacs, da equipe do Instituto e do companheiro Gaspar Sánchez, do Consejo Cívico de Organizaciones Populares e Indígenas de Honduras (COPINH), que enviou uma saudação em áudio.

 

 

No contexto pós-golpe em Honduras, Berta fez denúncias sistemáticas sobre o avanço das diversas violações de direitos humanos, da criminalização dos movimentos populares, como sua organização, o Consejo Cívico de Organizaciones Populares e Indígenas de Honduras (COPINH); e, tragicamente, das violências políticas e extermínio de lutadores/as populares e ambientalistas, como o feminicídio político que ceifou sua vida. Berta foi assassinada no dia 3 de março de 2016, em sua casa, em La Esperanza. Lugar onde tantas outras Bertas são assassinadas todos os dias.

Na abertura, a mística com canção e vídeo que lembra a memória de Berta nos chamou a entender melhor para onde apontamos, pelo que lutamos e o que construímos. A coordenadora-geral do Instituto Pacs, Sandra Quintela, apresentou uma breve análise da tremenda conjuntura de retirada de direitos em âmbito nacional. Marcos Arruda, educador do Instituto, seguiu tratando da ameaça global da militarização das economias nacionais, especialmente a dos Estados Unidos.

 

 

 

Anazir Maria de Oliveira, grande lutadora sindical da Central de Movimentos Populares (CMP), falou sobre as perdas dos direitos trabalhistas das domésticas: “Essa perda afeta nossos jovens! O desemprego e a perda dos direitos deixam nossos jovens sem perspectiva, além de afetar a autoestima das mulheres”.

Edneida Freire, educadora física, fez uma contribuição indispensável para a leitura de conjuntura. Professora de atletismo atingida pelo fechamento do estádio público de atletismo Célio de Barros, ela lamenta o legado olímpico negativo: “No Rio, não houve espírito olímpico, houve olimpismo, desmontaram a educação de esporte, para fazer um megaevento esportivo”.

A assembleia foi encerrada com o lançamento da biblioteca e afixação da placa em homenagem a Berta Cáceres. A biblioteca virtual reúne mais de 30 anos de produção em educação popular do Instituto Pacs e a biblioteca física coloca à disposição do público livros e demais publicações de parceiros e parceiras.

Confira as fotos da Assembleia de Sócias e Sócios/ Lançamento da Biblioteca Berta Cáceres

 

Saiba Mais sobre a trajetória de Berta Cáceres

Por que uma biblioteca com o nome de Berta Cáceres?

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*