Rios em luta: vídeo expõe privatização da água no maciço da Pedra Branca

“Quando a chuva cai sobre terras altas, as gotas encontram os córregos e escoam para os vales vizinhos. Por causa dos relevos acidentados, elas podem se espalhar pelo chão em diversas direções. Alagam várzeas, campinas, planícies. Hidratam o solo. Por isso as serras são consideradas divisores de água. Elas são peças vitais de um sistema de irrigação natural. Ajudam a distribuir a gentileza dos aguaceiros pelas proximidades onde descansam” (Morar e Plantar, caderno produzido pelas mulheres da Militância Investigativa)

Onde a serra encontra a chuva, assim deveria ser o caminho natural das águas. Nos últimos tempos, porém, alguns obstáculos têm dificultado o percurso e o uso comum da água na região do maciço da Pedra Branca, na Zona Oeste do Rio, uma das maiores florestas urbanas do mundo e abrigo de um conjunto de 19 rios, riachos e cachoeiras.

Seguindo o caminho de rios e córregos da região, as mulheres da coletiva de militância investigativa da Zona Oeste apresentam o vídeo “Rios em Luta: Mulheres e água em movimento na Zona Oeste/RJ”, resultado de uma caravana que percorreu pontos de conflitos socioambientais e resistências no entorno da Pedra Branca. A realização do vídeo teve o apoio do Instituto Pacs.

Assista ao vídeo completo aqui:

 

O vídeo mostra como a água tem sido utilizada para empreendimentos como parque aquático e pedreiras, em vez de ser priorizado o abastecimento local e a agroecologia, um forte potencial da região. No relato das mulheres, aparecem registros das mudanças recente nos ciclos das águas da região, com escassez e diminuição dos fluxos, além da drenagem de águas subterrâneas.

 

A produção audiovisual ressalta ainda dados preocupantes, como:

  • Menos de 30% dos domicílios da região têm rede de esgoto

  • Em Vargem Grande, 45% da população ainda não conta com abastecimento adequado de água

 

O maciço da Pedra Branca e seu entorno vêm sofrendo as consequências da especulação e da elitização da área, o que se expressa, entre outras coisas, no avanço de empreendimentos imobiliários, que são instalados sem infraestrutura necessária. “Os conflitos socioambientais na região evidenciam que o principal legado dos megaeventos esportivos tem sido o avanço de um modelo privatista de cidade. Esse modelo é contrário às demandas e alternativas populares construídas na região historicamente”, analisa Joana Emmerick, coordenadora-adjunta do Instituto Pacs.

O vídeo “Rios em luta” integra uma das etapas do diagnóstico de conflitos socioambientais na Zona Oeste do Rio, realizado por mulheres da Militância Investigativa, a Militiva, e apoiado pelo Pacs.

Por meio de práticas e reflexões das mulheres, a Militiva está mapeando os conflitos socioambientais e as alternativas insurgentes nos territórios da Zona Oeste do Rio. A pesquisa militante busca destacar e defender o protagonismo das mulheres nos espaços de luta e pesquisa, “espaços estes que são confluentes como as águas, que ganham força quando se encontram”, conforme descrevem as mulheres no primeiro boletim lançado pela Militiva.

2 comentários sobre “Rios em luta: vídeo expõe privatização da água no maciço da Pedra Branca

  1. Muito Bom! Parabéns Mulheres ! Me orgulho de conviver com vcs ♡

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*